sexta-feira, setembro 19, 2008

5 Anos de minha maior cachaça

exatos cinco anos oficializei(amos) nossas juras de amor eterno, "na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, na alegria e na tristeza, (não necessariamente nesta ordem) amando-te e respeitando-te todos os dias da minha vida", perante os olhos do juiz, pela manhã, e perante os olhos de Deus, à noite.
Cinco anos de dura batalha, às vezes entrincheirados, às vezes em batalha campal, sempre lado a lado, nunca nos desvencilhando, partindo para o ataque perfilados, nos defendendo mutuamente. Não há muito, já não estamos sós nesse front, e nos deliciamos, dia a dia, com nosso primeiro rebento, Danton...
Essa cachaça, de fino bouquet, e paladar inigualável, jamais me deu ressaca, jamais me dará, pois fora tirada do coração. Não tem outro metal que não seja ouro, não tem resíduo, é puro prazer, puro torpor e êxtase.
Qual vinho, a cada ano matura mais, incorpora novos aromas, novos paladares.
Fosse vodka, hoje seria o início da sexta destilação, cada vez mais pura.
Sempre vou me inebriar nessa delícia de estar casado com você, Cris, "minha sorte preferida". TE AMO!!!

3 comentários:

Cris Prates disse...

Que eu posso escrever diante de tanta doçura? Eu também te amo!!! E vou te amar até meus 127 anos na Terra e mais seu lá quantos depois...

Obrigada pelo liiiiindo post!

Repórter Bacurau disse...

Beeeeeeeeeebe negão!

Anônimo disse...

Mês que vem iremos fazer cinco anos de casamento. E já estou pensando em trocar ela por duas de vinte.