terça-feira, fevereiro 25, 2014

Apelidos de Cana Brasil afora

Repassada pelo meu amigo Korjeca, via Facebook

Veja abaixo todas as outras denominações usadas no Brasil.

A
a-do-diabo, abre, abre-bondade, abre-coração, abrideira, abridora, aca, ácido, aço, acuicui, a-do-ó, água, água-benta, água-bórica, água-branca, água-bruta, água-de-briga, água-de-cana, água-de-setembro, água-lisa, água-pé, água-pra-tudo, água-que-gato-não-bebe, água-que-passarinho-não-bebe, aguardente, aguarrás, agundu, alicate, alpista, alpiste, amarelinha, amorosa, anacuíta, angico, aninha, apaga-tristeza, aquelazinha, a-que-incha, aquela-que-matou-o-guarda, a-que-matou-o-guarda, aquiqui, arapari, ardosa, ardose, ariranha, arrebenta-peito, assina-ponto, assovio-de-cobra, azeite, azougue, azulada, azuladinha, azulina, azulzinha

B
bafo-de-tigre, baga, bagaceira, baronesa, bataclã, bicarbonato-de-soda, bicha, bichinha, bicho, bico, birinaite, birinata, birita, birrada, bitruca, boa, boa-pra-tudo, bom-pra-tudo, borbulhante, boresca, braba, branca, brande, branquinha, brasa, braseira, braseiro, brasileira, brasileirinha, brava, briba

C
cachorro-de-engenheiro, caeba, café-branco, caiana, caianarana, caianinha, calibrina, camarada, cambraia, cambrainha, camulaia, cana, cana-capim, cândida, canguara, canha, canicilina, caninha, caninha-verde, canjebrina, canjica, capote-de-pobre, cascabulho, cascarobil, cascavel, catinguenta, catrau, catrau-campeche, catuta, cauim, caúna, caxaramba, caxiri, caxirim, caxixi, cem-virtudes, chá-de-cana, chambirra, champanha-da-terra, chatô, chica, chica-boa, chora-menina, chorinho, choro, chuchu, cidrão, cipinhinha, cipó, cobertor-de-pobre, cobreia, cobreira, coco, concentrada, congonha, conguruti, corta-bainha, cotréia, crislotique, crua, cruaca, cumbe, cumbeca, cumbica, cumulaia, cura-tudo

D
danada, danadinha, danadona, danguá, delas-frias, delegado-de-laranjeiras, dengosa, desmanchada, desmanchadeira, desmancha-samba, dindinha, doidinha, dona-branca, dormideira

E
ela, elixir, engenhoca, engasga-gato, espanta-moleque, espiridina, espridina, espírito, esquenta-aqui-dentro, esquenta-corpo, esquenta-dentro, esquenta-por-dentro, estricnina, extrato-hepático

F
faz-xodó, ferro, filha-de-senhor-de-engenho, filha-do-engenho, filha-do-senhor-do-engenho, fogo, fogosa, forra-peito, fragadô, frinha, fruta

G
garapa-doida, gás, gasolina, gaspa, gengibirra, girgolina, girumba, glostora, goró, gororoba, gororobinha, gramática, granzosa, gravanji, grogue, guampa, guarupada

H
homeopatia

I
iaiá-me-sacode, igarapé-mirim, imaculada, imbiriba, incha, insquento, isbelique, isca

J
já-começa, jamaica, januária, jeriba, jeribita, jinjibirra, juçara, junça, jura, jurubita, jurupinga

L
lágrima-de-virgem, lamparina, lanterneta, lapinga, laprinja, lebrea, lebréia, legume, levanta-velho, limpa, limpa-goela, limpa-olho, limpinha, linda, lindinha, linha-branca, lisa, lisinha

M
maçangana, maçaranduba, maciça, malafa, malafo, malavo, malunga, malvada, mamadeira, mamãe-de-aluana, mamãe-sacode, manduraba, mandureba, mangaba, mangabinha, marafa, marafo, maria-branca, maria-meu-bem, maria-teimosa, mariquinhas, martelo, marumbis, marvada, marvadinha, mata-bicho, mata-paixão, mateus, mé, melé, meleira, meropéia, meu-consolo, miana, mijo-de-cão, mindorra, minduba, mindubinha, miscorete, mistria, moça-branca, moça-loura, molhadura, monjopina, montuava, morrão, morretiana, muamba, mulata, mulatinha, muncadinho, mundureba, mungango

N
não-sei-quê, negrita, nó-cego, nordígena, número-um

O
óleo, óleo-de-cana, omim-fum-fum, oranganje, oroganje, orontanje, oti, otim, otim-fifum, otim-fim-fim

P
panete, parati, parda, parnaíba, patrícia, pau-de-urubu, pau-no-burro, pau-selado, pé-de-briga, péla-goela, pelecopá, penicilina, perigosa, petróleo, pevide, pílcia, pilóia, pilora, pindaíba, pindaíva, pindonga, pinga, pingada, pinga-mansa, pinguinha, piraçununga, piribita, pirita, pitianga, pitula, porco, porongo, preciosa, prego, presepe, pringoméia, pura, purinha, purona

Q
quebra-goela, quebra-jejum, quebra-munheca, quindim

R
rama, remédio, restilo, retrós, rija, ripa, roxo-forte

S
saideira, salsaparrilha-de-brístol, samba, santa-branca, santamarense, santa-maria, santinha, santo-onofre-de-bodega, semente-de-arrenga, sete-virtudes, sinhaninha, sinhazinha, sipia, siúba, sorna, sumo-da-cana, sumo-de-cana-torta, suor-de-alambique, suor-de-cana-torta, supupara, suruca

T
tafiá, talagada, tanguara, teimosa, teimosinha, tempero, terebintina, tiguara, tindola, tíner, tinguaciba, tiguara, tiquara, tira-calor, tira-juízo, tira-teima, tira-vergonha, titara, tiúba, tome-juízo, três-martelos, três-tombos

U
uca, uma-aí, unganjo, upa, urina-de-santo

V
vela, veneno, venenosa, virge, virgem

X
xarope-de-grindélia, xarope-dos-bebos, xarope-galeno, ximbica, ximbira, xinabre, xinapre

Z
zuninga

quarta-feira, agosto 01, 2012

domingo, janeiro 29, 2012

segunda-feira, janeiro 02, 2012

segunda-feira, novembro 28, 2011

quinta-feira, setembro 22, 2011

Decálogo da boemia consciente e sustentável

2/09/2011

Decálogo da boemia consciente e sustentável

Para Rê Bordosa (by Angeli), minha bêbada inesquecível

"Culus bebedorum dominus non habet"

I) Não apenas por hoje, o dia sem carro. Faça como este pedestre e flâneur inveterado, se vai beber, esqueça o automóvel. E ande semprecom o endereço e o seu nome completo pendurado na correntinha do pescoço para facilitar a volta ao lar doce lar.

II) É de bom-tom sempre guardar o nome dos garçons, afinal de contas é no ombro deles que vais chorar, ao som de “Nervos de Aço”, a inevitável, acachapante e humaníssima dor de corno.

III) Na saúde e na doença, a culpa será sempre do tira-gosto, ah, aquela calabresa, aquele torresmo, aquele caldinho, aquela moela, aquela azeitona me fez mal à beça... Jamais a culpa será da cachaça, da tequila ou do uísque.

IV) Boemia é como futebol, exige ritmo de jogo, seqüência; se você a larga por uns dias, ela te pega na curva, te dá um caldo, uma rasteira... mesmo que peças,suplicante, de volta, a tua nova inscrição.

V) A divisão do tempo da prosa, na mesa de um bar, deve obedecer ao seguinte critério: 50% sobre mulheres,40% sobre futebol e 10% sobre a antologia de ressacas monstruosas, a nostalgia precoce das quedas anteriores. Advertimos, porém: depois dos 45 anos a ressaca não se resume à bela inércia improdutiva -vira uma espécie de dengue existencialista, mesmo que você seja um resistente macho-jurubeba.

VI) Procure sentar sempre nas primeiras mesas do botequim, se possível na calçada, lá colado na sarjeta, pois todos os dias, alguma mulher irada sai de casa, revoltada com o miserável consorte, e diz assim, muito resolvida: “Hoje eu vou dar para o primeiro que encontrar”. Se bem colocado, este primeiro serás tu, bravo boêmio.

VII) Direito máximo do consumidor: desde que o freguês não se incomode com água e sabão nos pés, poderá ficar no recinto até a descida do portão de ferro.

VIII) É livre o “pindura”, data vênia, para fregueses com mais de cinco anos de casa, como reza a lei do usucapião.

IX) Meu bar/meu mar... É permitido nadar no seco beijando os pés das moças por debaixo das mesas. Mesmo que você, amigo, não seja um macho-tupperware, aquele macho-tupperware, aquele bêbado que a mulher guarda para comer no dia seguinte.

X) No país da impunidade, a saideira é como a lei, existe para ser desobedecida. Seu garçom faça o favor, mais uma. E nem me diga qual foi o resultado daquela pelada do São Paulo x Corinthians.

Agora é a sua vez, irmã(o) de copo e boemia, de ampliar esses mandamentos. Que outras dicas poderíamos acrescentar nesta tábua sagrada?

Escrito por Xico Sá às 11h27



Kibado descaradamente daqui:

http://xicosa.folha.blog.uol.com.br/

quarta-feira, outubro 06, 2010

sexta-feira, agosto 06, 2010

Pensamento da Semana


"Gastei 90% do meu Dinheiro com bebida. Os 10% restantes ficaram com o garçon"

terça-feira, julho 13, 2010

Cria fama e deita na cama..

Diálogo matinal com a esposa:

(Ela)- Você bebeu vódka, whisky, cahaça...?

(Eu)- Não, você tá sentindo cheiro de listerine...

terça-feira, julho 06, 2010

Loa










Gato escaldado
tem medo de água fria
Eu que não sou gato
Bebo cana todo dia

quinta-feira, junho 17, 2010

quinta-feira, maio 13, 2010

Exemplo a ser seguido

Os britânicos Les Perkins, de 98 anos, e Chris Parfitt, 95, bebem juntos no mesmo bar de Somerset, na Inglaterra, há 82 anos.

Eles se conheceram naquele bar quando ainda tinham 13 anos e estavam com seus pais. À época, eles estudavam em escolas diferentes e não tinham nada em comum. Com o passar dos anos, Perkins e Parfitt tomaram gosto pela bebida e fizeram do pub seu ponto de encontro semanal. E lá se vão mais de oito décadas.


dupla_pub620



Roubado descaradamente (inclusive com os erros de matemática) daqui:

http://www.luizberto.com/?p=123976#comments

segunda-feira, março 29, 2010

Cuidado com os bebuns


"Cuidado, bêbados atravessando"...

sexta-feira, março 19, 2010

sábado, março 13, 2010

quarta-feira, março 03, 2010

A resposta


Marretado daqui: http://www.naointendo.com.br

quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Carnaval do Recife




Ascenso Ferreira
(1895-1965)

Meteram uma peixeira no bucho de Colombina
que a pobre, coitada, a canela esticou!
Deram um rabo-de-arraia em Arlequim,
um clister de sebo quente em Pierrô!

E somente ficaram os máscaras da terra:
Parafusos, Mateus e Papangus...
e as Bestas-Feras impertinentes,
os Cabeções e as Burras-Calus...
realizando, contentes, o carnaval do Recife,
o carnaval mulato do Recife,
o carnaval melhor do mundo!

- Mulata danada, lá vem Quitandeira,
lá vem Quitandeira que tá de matá!

- Olha o passso do siricongado!
- Olha o passo da siriema!
- Olha o passo do jaburu!
E a Nação-de-Cambinda-Velha!
E a Nação-de-Cambinda Nova!
E a Nação-de-Leão-Coroado!

- Danou-se, mulata, que o queima é danado!
- Eu quero virá arcanfô!
Que imensa poesia nos blocos cantando:
"Todo mundo emprega
grande catatau,
pra ver se me pega
o teu olho mal!"
- Viva o Bloco das Flores! Os Batutas!
Apois-fum!
(Como é brasileira a verve desse nome: Apois-fum!)
E o Clube do Pão Duro!
(É mesmo duro de roer o pão do pobre!)

- Lá vem o homem dos três cabaços na vara!
"Quem tirar a polícia prende!"

- Eh, garajuba!
Carnavá, meu carnavá,
tua alegria me consome...
Chegô o tempo das muié largá os home!
Chegô o tempo das muié largá os home!
Chegou lá nada...

Chegou foi o tempo delas pegarem os homens,
porque chegou o carnaval do Recife,
o carnaval mulato do Recife,
o carnaval melhor do mundo!

- Pega o pirão, esmorecido!


quinta-feira, fevereiro 04, 2010

sexta-feira, janeiro 15, 2010

Hierarquia dos Bebuns

(fonte:http://www.luizberto.com/?p=94744#more-94744)
Hierarquia dos Bebuns
( Autoria desconhecida)

Um dos maiores erros cometidos pelos leigos em assuntos etílicos é posicionar inadequadamente o cidadão alcoolizado na hierarquia bebunística. Por desconhecerem que há critérios técnicos regulamentados pelo Incopo, costumam chamar, às vezes, um simples biriteiro de pau-d’água ou um pinguço de pé-de-cana. Quanta ignorância! Bebum, pinguço e biriteiro são apenas “estágios” ou “posições hierárquicas” alcançadas de forma meritória com muito denodo e competência. Tomar um porre todo mundo toma, porém, ter status etílico, é outra coisa. De “bêbado” a “papudinho”

1 - Bêbado - É a patente mais insignificante da escala, mesmo porque não chega a ser um profissional. A coisa aí é definida pelo verbo de ligação; normalmente o sujeito está bêbado, não é bêbado. É como os ministros. Eles não são ministros, estão ministros, o que também não impede que o ministro seja ou esteja bêbado. É o pé-de-chinelo da escala.O bêbado, não o ministro, é claro!

2 - Biriteiro - É o cara que, depois de alguns porres, acaba se interessando pela carreira e começa a praticar a bebunagem com regularidade. Como o fígado ainda está tinindo e a família achando que aquilo é só uma “fase passageira”, ele vai metendo os cornos devagarinho. Toma três hoje, duas amanhã, pára no domingo, recomeça na terça, vomita na quinta, toma boldo na sexta, e vai indo… Como ainda não tem certo domínio sobre o álcool, acaba fazendo merda.E depois da primeira, é uma atrás da outra, para alegria dos cunhados canalhas.

3 - Bebum - É uma patente acima do biriteiro. Mais constante e mais previsível, quanto às cagadas que costuma aprontar, o bebum é aquele cara que vive pagando mico, para a vergonha da esposa e felicidade da sogra. Pode ser “sistemático”. Faz merda todo dia, ou “assistemático” não faz mais merda; já tem o suficiente em estoque.

4 - Pinguço - O que faz com que um bebum seja elevado à categoria de pinguço é o horário em que passa a adentrar no recinto cachacístico. O bebum é um notívago por excelência, quer dizer, só costuma molhar o chifre à noite, enquanto o pinguço é um “tardívago”; começa na hora que seria do almoço. Seria, mas não é. Almoço, para pinguço, é perda de tempo. Só pode ter sido invenção de crente.

5 - Pau-d’água - É o pinguço que já perdeu o respeito da vizinhança. Embora seja uma patente alcoólica de grande carisma, a expressão “pau-d’água” é usada por muitos abstêmios como adjetivo pejorativo.E isso é sacanagem.Se o pau-d’água fosse da família deles seria “vítima do alcoolismo”, agora, como não é… É o mesmo preconceito que muita gente tem contra a viadagem; se é da nossa família é “homossexual”,mas se for da família do vizinho é “viado”,”bichona sem-vergonha”.

6 - Pé-de-cana - É o pau-d’água pobre. O cara rico, de porre, é extravagante; o pobre, é impertinente.Se é rico fica eufórico; se é pobre faz vergonha.Rico fica alegre; pobre enche o saco. Rico agita a madrugada; pobre enche os culhões. Não tem como escapar! Só enchendo os cornos para esquecer este preconceito…

7 - Papudinho - É a maior patente da escala, o último e derradeiro degrau. É quando a cara incha de vez, os olhos empapuçam, o passo fica curto, os pés engordam, as mãos vacilam, a voz se arrasta e até o anjo da guarda dá no pé. Geralmente é um solitário. Bebe sozinho, cai sozinho, mija nas calças sozinho, e fica babando no sereno até que uma alma caridosa, normalmente um outro papudinho - se ofereça para ajudar. Ocorre que, muitas vezes, o outro papudinho está ainda mais mamado e acaba caindo também. Aí, para levantar dois papudinhos são necessários outros dois papudinhos, e que quase sempre não aparecem já que estão caídos mais adiante. Daí então, só de revolta, resolvem forma mais uma dupla sertaneja só para torrar de vez com o saco dos brasileiros. Além destas sete patentes, há algumas outras posições intermediárias como sub-bebuns,terceiros, segundos e primeiros pinguços, biriteiros de corveta, etc, mas que são estritamente corporativas e servem, tão-somente ,para efeito de promoção.
Figuras como o “Ébrio”, por sua vez, não são mais reconhecidas como patente. O ébrio, pra quem não sabe, é o bebum em desuso. Ainda há alguns poucos remanescentes no mercado mas que a família prende em casa para evitar que façam merda na rua. Os poucos que ainda existem funcionam à válvula, já perderam o contraste e têm sérios problemas com o vertical. E aí, vamos tomar quantas?


sábado, janeiro 09, 2010

quinta-feira, agosto 06, 2009

Frase do Dia (ou do ano)

"Se apenas limpando as mãos com álcool elimina o risco do virus da gripe, ingerindo bebida alcoólica então, ele nem chega perto!"

quinta-feira, julho 02, 2009

O DOUTOR E O BÊBO

O DOUTOR E O BÊBO (Jessier Quirino)

O cabra era carrapato por uma cervejinha. Chega de bode amarrado no doutor e ouve a sentença:

- O senhor vai ter que parar de beber cerveja. Veja bem: durante um ano, o senhor só vai beber leite.

- Puta-merda doutor, outra vez??????

- O quê?!… O senhor já fez esse tratamento?

- Já doutor. Durante os dois primeiros anos da minha vida…

quarta-feira, junho 17, 2009

terça-feira, junho 16, 2009

FAQ da cerveja

As
10 maiores dúvidas sobra a
cerveja:


1.
A
CERVEJA MATA?
Sim. Sobretudo se a pessoa for atingida por uma caixa de
cerveja com garrafas cheias. Anos atrás, um rapaz, ao
passar pela rua, foi atingido por uma caixa de cerveja que
caiu de um caminhão levando-o a morte instantânea. Além
disso, casos de infarto do miocárdio em idosos teriam sido
associados às propagandas de cervejas...

2. O USO CONTINUO DO ÁLCOOL PODE LEVAR AO USO DE DROGAS
MAIS PESADAS?
Não. O álcool é a mais pesada das drogas: o peso líquido de uma garrafa de
cerveja é cerca de 900 gramas

3. CERVEJA CAUSA DEPENDÊNCIA
PSICOLÓGICA?
Não. 89,7% dos psicólogos e psicanalistas entrevistados
preferem uísque.

4. MULHERES GRÁVIDAS PODEM BEBER SEM
RISCO?
Sim. Está provado que nas blitz a polícia nunca
pede o teste do bafômetro pras gestantes. E se elas tiverem
que fazer o teste de andar em linha reta, sempre podem
atribuir o desequilíbrio ao peso da barriga.

5. CERVEJA PODE DIMINUIR OS REFLEXOS DOS
MOTORISTAS?
Não. Uma experiência foi feita com mais de 500
motoristas: foi dada uma caixa de cerveja para cada um beber
e, em seguida, foram colocados um por um diante do espelho.
Em nenhum dos casos, os reflexos foram
alterados.

6. A BEBIDA ENVELHECE?
Sim. A bebida envelhece muito rápido. Para se ter uma
idéia, se você deixar uma garrafa ou lata de cerveja
aberta ela perderá o seu sabor em aproximadamente quinze
minutos.

7. A CERVEJA ATRAPALHA NO RENDIMENTO
ESCOLAR?
Não, pelo contrário. Alguns donos de faculdade estão
aumentando suas rendas com a venda de cerveja nas cantinas e
bares na esquina.

8. O QUE FAZ COM QUE A BEBIDA CHEGUE AOS
ADOLESCENTES?
Inúmeras pesquisas vinham sendo feitas por laboratórios
de renome e todas indicam, em primeiríssimo lugar, o
garçom, seguido pelos barmen e depois pelos barraqueiros.

9. CERVEJA ENGORDA?
Não. Quem engorda é você.

10. A CERVEJA CAUSA DIMINUIÇÃO DA
MEMÓRIA?
Lembro não, ó

segunda-feira, junho 15, 2009

Cúmulo da embriaguês

Entrar num sanitário, olhar pro mictório e voltar pra olhar na porta se está no banheiro masculino...

quinta-feira, maio 21, 2009

21 de Maio, Dia da Cachaça

O SINDPAPS*, como de costume, já está fazendo a festa. Hoje, não sei por decreto, ou lei, de quem, nem qual a abrangência da comemoração, é o dia da Cachaça.
Portanto, moçada, vamos beber uma(s) e esquecer das dores de cabeça diárias...
Mas vamos beber com consciência, e aqui vão alguns toques de cachaceiro pra cachaceiro:

Qual cachaça beber?

  • Qualquer uma desde que não esteja envenenada

Ponche (também conhecido noutras plaigas como tira-gosto, aperitivo, petisco, etc)
A variedade é grande, desde as frutas até os pratos mais elaborados. De minha parte já bebi com:

  • Um umbu (eu e um amigo, derrubamos um tubo de cana com um um bu cada, era um gole e uma lambidinha no bicho)
  • Folha de Jambo (tivemos que escolher, ou comprava a cana ou comprava o ponche, compramos a cana, olhando pra cima não havia nenhum jambozinho pra remédio, também não tava florindo, aí foi o jeito, folha de jambo pra tirar o bafo...)
  • Língua (é o mais freqüente, você dá uma talaigada e depois chupa a própria língua, melhor ainda se chupar a língua da pessoa amada)
  • Manga (Variação da língua, após a talaigada você enxuga os beiços na manga da camisa)
  • ...
  • Invente, tente, use um tira-gosto diferente...



*Sindicato dos Papudinhos e Similares

sexta-feira, março 13, 2009

Verso

, “Quando eu não bebia cana
Até chuva me ofendia.
Peguei beber por remédio,
Foi tão grande a serventia
Que até a dor da saudade
Não dói mais como doía."

(Cicinho Gomes In Memorian)

quinta-feira, março 05, 2009

O poder de síntese de uma tradução













Ladeira da Misericórdia, Olinda, no Carnaval. Vê a síntese que uma tradução pode assumir. Todo sortimento de bebidas, sucos e comidas resumidos a quatro palavras:

"Kebabs and Fruit Juices"!

Ou nós somos muito prolixos (não creio) , ou língua inglesa carece de vocabulário (improvável), ou o autor da faixa tava com uma pressa dukaray pra vender e tomar umas (mais plausível)...

Data Magna

A data tem significado, apesar de terem quisto vê-la engavetada, entretanto, um feriadão desses logo após o carnavá é pra encher a goela de marvada...
E viva Domingos José Martins, Cruz Cabugá, Leão Coroado, Padre Roma, Frei Caneca, Padre Miguelinho, Vigário Tenório, (peraí, minino, isso é uma homenagem ou uma rota de ruas?), Domingos Teotônio Jorge e todos aqueles que direta ou indiretamente fazem com que este estado tenha orgulho de sua história...
Destaque também para
PAULO SANTOS DE OLIVEIRA, que com seu livro de história romanceada, A Noiva da Revolução, fez-nos enxergar a verdade histórica e a importância desse fato heróico de nossos antepassados.

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

A Pisada é Essa



(Capiba)

Quando a vida é boa,
Não precisa Pressa,
Até Quarta Feira
A pisada é essa
Pra que vida Melhor
Fale quem tiver Boca
Eu nunca vi coisa assim
Oh que gente tão louca
Eu quero ver carvão queimar
Quero ver, queimar carvão
Quero ver daqui a pouco
Pegar fogo no Salão...


De chapéu de sol

De chapéu de sol aberto pelas as ruas eu vou
A multidão me acompanha, e vou
Eu vou e venho pra onde, não sei
Só sei que carrego alegria pra dar e vender

Deixa o barco correr

Espero um ano inteiro
Para ver chegar fevereiro
Para ouvir o clarinar
E a alegria chegar
Essa alegria não terá fim
Parece que não terá fim
Mas se um dia o frevo acabar
Juro que vou chorar



Trobone de Prata
Ouvi dizer
Que o mundo vai se acabar
E tudo vai pra cucuia
O sol não mais brilhará
Mas se deixarem
Em bumbo e uma mulata
E um trombone de prata
O frevo bom viverá
Pode acabar o petróleo
Pode acabar tudo enfim
Mas deixem o frevo pra mim


quinta-feira, fevereiro 05, 2009

What a drunkfull world

sFizeram um comercial de (argh) refrigerante com dois sacrilégios simultâneos, a música de Satchmo e a voz de Joey Ramone, já que esculhambaram, eu vou esculhambar também...


I see the black of can
Red shrimp too
I see Pitú
for me and you
And I think to myself
what a drunkful world

I see bottles of blue
And a liquid of white
The bright blessed drink
The dark sacred drunk
And I think to myself
What a drunkful world

The bottle, and its label,
Is as pretty as the can
We can drink it
with fruits, tidbit or not
All the world turns in
And my head turns too
If i have hangover then
I call Raul

I hear the stuff openin'
I put it on
I want more
Than I'll never go
And I think to myself
what a drunkfull world
I think to myself
what a drunkful world

Burp Yeah


terça-feira, janeiro 06, 2009

Ano novo, pinga nova

Uma certa Batata desejou-me "akemashite omedetou gozaimasu!", antes que alguém pense algo diferente, isso ai significa: "parabéns pela pasagem de ano". Numa análise bem livre (só estudei estruturalismo o suficiente pra passar nas provas de antropologia) , significa: "é, apesar de tudo, você conseguiu manter-se vivo por mais um ano nessa selva darwiniana que é a civilização humana, parabéns..."
No meu caso pode ter outras significações:
  • Parabéns, seu fígado aguentou (ai meu Deus, primeira vez que eu escrevo sem trema, não sei se bebo pra esquecer ou pra comemorar...);
  • Parabéns, apesar de tudo, seu baço ainda dá sinais de vida;
  • Parabéns, suas taxas foram diluídas em álcool a 42º gl;
  • Parabéns, com esse açúcar todo no sangue você não precisa mais adoçar a caipirinha...
Mas, ano novo significa, em nossa cultura, o início de uma nova era, e, não raro, as pessoas fazem promessas de reiniciar tudo, de forma diferente do que sempre fez. Todo mundo sabe que não cumpre quase nada do que promete, mas vamos fazer um esforço de algumas possibilidades:

  • Este ano só vou beber socialmente (essa é fácil, afinal de contas sou formado em Ciências Sociais. Além do mais, beber SEMPRE é uma atividade social, no mínimo há a relação social na compra da birita)
  • Este ano não vou ficar bêbado (mantendo-me sempre neste status etílicus, não posso "ficar")
  • Este ano não vou comprar bebida barata (afinal, com a crise, a tendência econômica é de ligeira inflação, portanto todas as biritas estarão com seus preços majorados)
  • Este ano não vou secar muitas garrafas (juro que ultimamente estou bebendo muito mais em latas, latinhas e latões, pra desespero da galera ambientalista, mas também as jogo nos coletores seletivos)
  • Este ano vou evitar o primeiro gole (afinal de contas todo mundo sabe que meu primeiro gole foi há alguns anos)
Pra finalizar:
  • Este ano este blog será atualizado sistematicamente (que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa, que mentira, que lorota boa...)

quinta-feira, novembro 20, 2008

Canção à minha Cidade Natal



(Solano Trindade)

"Recife
Rua Direita
Fundo Águas Verdes
Das Mulheres perdidas
Aí eu nasci.
Recife "pontos" da facão cumprido
Piano tocando valsa
Pregões de Negros nas praças
Operárias cigarreiras
Soldados do 49
Recife
Charanga fazendo retreta
festtejando minha roupa nova
No Pátio do Terço embandeirado.
Recife
Presépio de avenca
Cheiro de canela
Pastorinhas leves
Menino Deus de pernas pra cima
Puríssimas canções.
Recife Campina de Bodé

Procissão dos Martírios
Senhor de lindos cachos
Carregados por pretos
De capa roxa.
Recife
Mamãe fazendo "mungusá"
Papai batendo sola
Recife
Natal em Afogados
Com Bumba meu Boi
E Chegança.
Recife
Festa de poço
Música bandeira
primeiro amor.
Recife
Greve no Porto
Conflitos na Rua do Imperador.
Recife
Maracatu com Rei e Rainha
Mexendo com o corpo
A alma da gente.
Recife Xangô da baiana
Na praia do Pina
Para "seu" Exu.
Recife
Cachaça Boa
Com "maria Rachada"
Um doce caju
Recife
Pamonha
Cuscuz
e angu.
Recife
"jacaré sessenta"
"uma vez só"
"minha velha"
"ostra chegada agora".
Recife
"chora menino pra comprar pitommba"
"o homem da bassoura vai simbora"
Recife
Capibaribe "chapéu de sol"
Toureiros de Santo Antônio.
Recife
Negro Umbelino
Rico pra burro

Dono do BairroDe São José.
Recife

Frevo
Serenata
Melhor Carnaval do mundo

Melhor Cidade da terra
Melhor cantinho do céu
Pra não perder a saudade."


20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, Martírio de Zumbi dos Palmares.
2008, 100 Anos de Solano Trindade, poeta Afro-Pernambucano.

terça-feira, outubro 28, 2008

Hoje é dia dos Funckionários públicos

Companheir@s, hoje é dia de tomar algumas pra espairecer...


Quem quizer que diga que a gente é Barnabé, mas a gente, pra agüentar isso tudo, só pode ser santo...

quarta-feira, outubro 15, 2008

Hoje é dia d@s professor@s


Felicidades a todos e todas que fazem a Educação deste país

quarta-feira, setembro 24, 2008

Essa é pra tocar na praia, com a cabeça cheia de cana...


Pra quem não entendeu está escrito "meu blog está avaliado em zero dollar, seu blog está avaliado em quanto?"
Biquini defunto, sai daí orelhudo...

sexta-feira, setembro 19, 2008

5 Anos de minha maior cachaça

exatos cinco anos oficializei(amos) nossas juras de amor eterno, "na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, na alegria e na tristeza, (não necessariamente nesta ordem) amando-te e respeitando-te todos os dias da minha vida", perante os olhos do juiz, pela manhã, e perante os olhos de Deus, à noite.
Cinco anos de dura batalha, às vezes entrincheirados, às vezes em batalha campal, sempre lado a lado, nunca nos desvencilhando, partindo para o ataque perfilados, nos defendendo mutuamente. Não há muito, já não estamos sós nesse front, e nos deliciamos, dia a dia, com nosso primeiro rebento, Danton...
Essa cachaça, de fino bouquet, e paladar inigualável, jamais me deu ressaca, jamais me dará, pois fora tirada do coração. Não tem outro metal que não seja ouro, não tem resíduo, é puro prazer, puro torpor e êxtase.
Qual vinho, a cada ano matura mais, incorpora novos aromas, novos paladares.
Fosse vodka, hoje seria o início da sexta destilação, cada vez mais pura.
Sempre vou me inebriar nessa delícia de estar casado com você, Cris, "minha sorte preferida". TE AMO!!!

terça-feira, setembro 09, 2008

Só com Azougue




Tava querendo escrever não sabia bem o que, mas a ida de Manoel Salustiano Soares, mais conhecido como Mestre Salu, pra outras bandas deixa a cultura Pernambucana meio que órfã.

Não faz muito tempo, os folguedos populares de Pernambuco (exceto frevo, baião e ciranda) eram tidos como coisas menores, coisa "de gentinha", ou de "macumbeiro", dos "ignorantes" e outras denominações pejorativas.
Apesar dos trabalhos de Câmara Cascudo e Mário de Andrade sobre a riqueza de nossa cultura popular, as pessoas de classes alta, média, remediada e mesmo setores mais urbanizados das classes trabalhadoras tratavam essas manifestações com desdém, em especial Maracatus, Caboclinhos e Cavalo Marinho. Alguns recortes de jornais da primeira metade do século passado, por exemplo, protestam contra o fato de que um determinado clube da zelite pernambucana ter tocado, durante o tríduo momesco, maracatu, e falamos aqui de Maracatu de Baque Virado, ou maracatu nação, bem mais ambientado na vida urbana.
Falar em Maracatu Rural, com seus cabocos de lança, caboclos de penas, damas do passo e sua inconfudível musicalidade era praticamente um palavrão. Pouco se sabia sobre as personagens humanas, animais e fantásticas do Cavalo Marinho. Babaus, Emas, Burras, Mateus, Bastião e Catirina eram coisas distantes, embora lambessem nossas caras.
O Movimento Armorial fundado por Ariano Suassuna, Família Madureira, Antônio Nóbrega, entre outros, aproximou a cidade desses folguedos, o movimento Mangue de Chico Science e Fred Zero Quatro, Mestre Ambrósio e cia. ilimitada desmistificou de vez. Não ficou difícil ver estudantes universitários aprendendo a tocar rabeca, cantar loas de samba de maracatu e dançar Cavalo Marinho.
Esses movimentos não seriam possíveis sem a presença de Mestre Salu, que, generosamente, de sua Casa da Rabeca, ensinou, a tod@s, os caminhos que levavam à beleza da cultura pernambucana.
O que é que tudo isso tem a ver com cachaça? Primeiro que os grandes homens e mulheres devem ser lembrad@s e celebrad@s, bebamos a ele. Segundo, Azougue é a bebida que os Caboclos de Lança bebem antes de sair pro carnaval, é feito de cachaça de cabeça e pólvora...
VALEU SALU!

quinta-feira, agosto 28, 2008

Quase um Deus


Foto: Luciano Terra, O Globo

José Moura, registrado no livro dos recordes Guiness Book por possuir mais de 6.850 garrafas de cachaça de rótulos diferentes. Dono do Museu da Cachaça, em Lagoa do Carro - PE.

Só não é um deus pq não bebe... ;)

Só de olhar pras prateleiras dá água na boca...


segunda-feira, agosto 18, 2008

Bom até pra queda de lambreta

Semana passada peguei um táxi, e o taxista era um desses que falam durante todo o percurso. NO meio do caminho ele recebeu um folheto com promoções de uma casa de bebidas e comidas importadas, e ele viu os preços de whisky, comentando:
"Tá bom o preço, só que eu não bebo. Se bem que semana passada eu bebi dois copos de cachaça com limão pra curar uma gripe, e não fiquei bêbado"
Deu a mulesta, o cara tomou dois quartinhos na tora, não ficou bêbado, o cara é um fenômeno.
Papo vai papo vem, me lembrei de meu avô, que foi farmacêutico (prático), e conhecia tudo das drogas lícitas (se bem que no tempo que ele era farmacêutico cocaína era vendida na farmácia "pra desentupir nariz e passar dor de dente"), e ele sempre disse: "Cerveja é bom até pra queda de lambreta"...
Aí me lembrei que sempre tem uma birita relacionada à saúde, senão vejamos:

  • Vinho tinto (um cálice por refeição) diminui as chances de problemas cárdio vasculares;
  • Nada melhor que um whisky após um dia estressante, melhor que qualquer relaxante muscular (ou relaxante cerebral, você que escolhe);
  • Cachaça, limão e mel, duvido que uma gripe resista por muito tempo depois de uma bomba dessas;
  • Conhaque de gengibre com limão também pode substituir a opção acima, para aqueles que têm preconceito contra a "marvada";
  • Se quiser "esquentar" as coisas na cama ( e eu não estou falando de dormir, não), catuaba;
  • Cerveja é considerada "pão líquido" em algumas playas mundo afora, fazendo parte de algumas cestas básicas, sem falar que é um excelente diurético;
  • Se levou uma pancada, cerveja preta;
  • Aquele tônico infantil é alcoólico ( e atenção, conheço vários casos de alcoolismo que começaram por aquilo)
  • Os Florais de Bach são feitos com Brandy;
  • ...
Sem esquecer que álcool é um excelente conservante, vide os animais de laboratório.

De formas que, mantendo a moderação, álcool é bom pra tudo, até pra queda de lambreta...

Qual a sua receita alcoólica?

sexta-feira, agosto 08, 2008

Paro nada... Meu nome não é Monica Lewinsk

Eu só fui um "entusiasta" dos "soft drinks", ou "soda", ou refrigerantes, na minha infância. Bebia (sem moderação) fratelli vita, clipper (não encontrei uma figurazinha sequer na internet), crush , soda limonada ("pra tomar de madrugada"), etc. coisa e tal.
Com o advento de minha adoleescência fui me chegando a algo com um pouco mais de atitude: cerveja, vinho, whisky, batida, caipirinha, vodaka e, claro, Cana ( com todas as suas nominações...), a figura do refrigerante só me aparecia ou pra curar ressaca (depois eu descobri que ressaca era crise de abstinência), ou quando bebia um gin tônica, campari com soda, uma porradinha, uma pitoca...
PITOCA? Você deve estar pensando que eu estou, aqui, declarando-me e szaindo do armário, não é nada disso, PITOCA era o nome de um cocktail feito com Pitú e Coca.
Pois é sobre essa danada que eu vim falar aqui. Desde o começo da guerra (essa aí do Iraque), que não compro nada de marca estadunidense, minha política é: "nenhum centavo pra financiar a guerra", e coca cola é que eu não compro meesmo. mas, mudando de pau pra cacete:
Já viram o novo slogan da Coca-Cola?
"Pare aqui, Beba Por aí". Por Aí, Pô Raí, Porra aí... Meirmão, isso tá parecendo coisa de Zagalo , ou ordem de Bill Clinton pra estagiária Monica Lewinsky, aquela que depois de um "trabalho de assoprar" (traduzam pro inglês) abriu a boca (dessa vez pra falar) e quase derruba o mandatário dos isteites.
Imagina só, beber "por aí" na pitoca...
Tô forinha!


Siminino, bota uma cana aí, que hoje eu não vou dirigir...

quarta-feira, agosto 06, 2008

BAFO DE PAPUDINHO MATA GUARDA DE TRÂNSITO


HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO (Via Repórter Bandeira Dois) – Acaba de dar entrada neste nosocômio o paciente Wescquesley Kennedy de Orleans & Bragança da Silva. O citado “paciente” já não pode atender por este termo por ter partido desta para a melhor antes mesmo de responder ao médico sobre os sintomas que estava sentindo.

O referido paciente, quer dizer, presunto, que trabalhava como guarda municipal de trânsito, sofreu uma parada cárdio-respiratória da goitana ao abordar o motorista Pedro Américo do Sul, em uma blitz realizada na avenida Norte. No momento da abordagem o indivíduo, conhecido no Beco dos Casados pelo vulgo de Pedro Pitu, foi instado a fazer o teste do bafômetro. Ao abrir a boca para que o aparelho fosse introduzido, Pedro Pitu soltou uma baforada tão da goitana que fez o homem da lei cair duro e teso.

Recolhido aos costumes, Pitu pode ser enquadrado no artigo de crime culposo, pois não existiu intencionalidade de dar cabo do agente. Segundo o próprio dito cujo declarou ao desembarcar para sua temporada de férias no Cotel, não tinha nenhuma intenção de matar o guarda. Deprimido pelo ocorrido, prometeu, assim que solto, fazer um trabalho social, como botar a garotada para pedir esmolas na Agamenon Magalhães ou entregar trouxinhas de maconha em domicílio.

Pedro esclareceu que é dono da concorrida boca de fumo Disk-Cannabis, totalmente informatizada, com site, letreiro de néon e anúncio nas páginas amarelas. Com essas informações fornecidas à dona Justa, ele pretende conseguir o mais depressa possível o habeas corpus. O que é razoável, já que sua atividade hoje é muito menos perseguida do que vender umas carteiras de Hollywood ou algumas garrafinhas de Brahma da Antarctica.

Depois de ter causado, indiretamente, a morte do homem da lei, o papudinho afirmou que vai mudar radicalmente seus hábitos de bebida. “Parar mesmo eu não vou. Mas vou deixar de pedir ‘aquela que matou o guarda’”, garantiu.

Materia publicada originalmente no:

O PAPA-FIGO – ANO XXIV (ops!) – Fundador, proprietário, editor e office-boy: Bione

(Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com pessoas vivas, mortas-vivas ou extraviadas será mera paranóia de quem achou).

Bote no nosso e-mail: papa-figo@uol.com.br

Se nao encontrar , ali no lado tem o link ==>

quarta-feira, julho 30, 2008

Cachaça e as leis da ciencia:

Lavoisier:
Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma:

3ª Lei de Newton:

Actioni contrariam semper et aequalem esse reactionem: sine corporum duorum actiones in se mutuo semper esse aequales et in partes contrarias dirigi.

(A toda ação há sempre oposta uma reação igual, ou, as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas a partes opostas.).



Resumindo:


(Em tempo de lei seca)
Cana dá álcool, álcool dá cana.

terça-feira, julho 29, 2008

Loa

"Não bebo por vicio, não bebo por nada
Bebo porque vejo, no fundo do copo
A imagem da Mulher amada,
SE eu não bebo,
Ela morre afogada..."


"Meu avô bebia cana,
Minha av
ó bebia vinho,
Os dois morreram na merda,
Eu vou no mesmo caminho..."


"
De primeiro só bebia
negro, caboco e mulato,
hoje até os home alto
veve bebo todo dia,
na rua tombá e pendê
contano os passo errado
até o seu delegado
já tenho visto bebê."


"Suco de cana caiana passado nos alambiques, pode ser que prejudique, mas bebo toda sumana" (Ascenso Ferreira)















quinta-feira, julho 24, 2008

Dry Law?


Não, não esta escrito em russo, mas em ingles;
"Real men dont drink and drive"
(Homens de verdade não bebem e dirigem)
Colocado no espelho fica parecendo que foi escrito em alfabeto cirílico...
(A foto foi "emprestada" do blog Sindrome de Estocolmo, um dos meus preferidos:
http://sindromedeestocolmo.com


Sempre bebi, e "di cum força", isso não é segredo nem taboo. Minhas amizades, e meus familiares, via de regra, também o fazem, e gostamos muitcho da marvada...

Nesses últimos dias, com o advento da, assim chamada, lei seca, virou lugar comum a discussão sobre se "um copo de celva, ou uma taça de vinho, ou um cálice de licor" coloca um "cidadão" no mesmo patamar dos "perigosos assassinos que habitam os presídios brasileiros"...

Ora, por certo vão ser enumerados vários casos de pessoas que "sempre beberam, e sempre dirigiram", que as pessoas tem consciência do que fazem, que "tolerância zero" e coisa de ditaduras, etc, etc, etc... Mas não é bem assim...

Em minha infância/adolescência na "tríplice fronteira do 'I", onde convergem Imbiribeira, Ipsep e Ibura, tínhamos uma "diversão" para a madrugada pós reveillon, que era "esperar o acidente", infalível, todo dia primeiro de Janeiro junto aos primeiros raios de sol do novo ano havia sempre um acidente, não raro fatal, na Avenida Recife, lembro apenas de um ano (salvo engano 1982), em que o acidente não se deu na Avenida Recife, mas na Mascarenhas de Morais, vulgo Imbiribeira, não mais que 500 metros no sentido leste, portanto dentro do desvio padrão... Ora, qual a correlação entre todos aqueles acidentes? A charada tem solução simples: reveillon, os "cidadãos" tomaram "algumas" com a família, pegaram carro, e BUM!, perderam o controle do volante, bateram/viraram, e hoje moram la em "Amaro Bocão", ou "no parque da avenida liberdade" (pra quem noa e do Recife, respectivamente Cemitérios de Santo Amaro e Parque das Flores) ...

Assim como eu acredito que uma arma na mão (salvo se para pratica desportiva de tiro ao alvo e demais categorias envolvendo armas) torna a pessoa um assassino em potencial (não me digam que é defesa, pq, em minha concepção, "arma de defesa" é colete a prova de bala e vidro blindado, as demais são armas de ataque mesmo), bebida + direção é uma arma em potencial, com o agravante de, em uma "tacada só", poder ceifar a vida de muito mais pessoas que uma bala.

Os números estão sendo divulgados sistematicamente pela imprensa brasileira, os acidentes pós lei seca estão diminuindo abruptamente, e não há outra variável a ser testada neste caso, foi o endurecimento da lei, e o maior rigor na fiscalização que fez com que as pessoas "se conscienciatizassem" por isso.

Bebemos para celebrar, para nos alegrar, para garantir nossa felicidade. Brindamos a (desculpa ai, meu teclado não está fazendo crase) nossa saúde, nossas famílias... Ou seja, birita é sinonimo de prazer, mas ao volante estraga tudo (claro que Zé Gomes, sobre quem eu postei há algum tempo, é a exceção que confirma a regra...).

Em tempo: Sempre tive tanta consciência disso que adiei minha habilitação por vinte anos, mesmo assim, agravado pela lei seca, não pego no volante depois de tomar umas nem que a vaca tussa, e escarre...